Pra quem gosta de natação, qualquer prova é imperdível, ainda mais em uma Olimpíada. Não há uma prova que não estejamos ansiosas pra assistir, nenhuma mesmo. Mas, supondo que você estará muito ocupado(a) durante a semana da natação nos Jogos Olímpicos, pedimos que assiste pelo menos as seguintes provas:

100 borboleta masculino

Por quê? Só de ter Phelps já é um belo motivo. Não à toa, todas as provas que ele irá nadar estão nessa lista. Mas há muita coisa em jogo aqui:
1- Michael Phelps pode reforçar o status de lenda, conquistando tetra-campeonato olímpico da prova.
2- Há uma richa interessante entre Phelps e Chad Le Clos. O sul-africano foi prata nessa prova em Londres, atrás do americano. Ano passado, o Mundial de Kazan e o Campeonato Americano aconteceram simultaneamente. Durante a competição, houve uma troca de farpas entre os dois nadadores para a mídia. Chad Le Clos venceu a prova no Mundial e em entrevista, deu uma indireta ao americano. No dia seguinte, Phelps venceu a prova nos EUA, com tempo melhor e respondeu de volta.


200 borboleta masculino

Por quê? Assim como os 100 borboleta, os 200 também promete um duelo entre Le Clos e Phelps.
1- Chad Le Clos foi o campeão olímpico da prova em Londres em cima de Phelps por 5 centésimos.
2- Phelps esteve no pódio da prova nas últimas três edições, vencendo 2004 e 2008.
3- Também houve comentários para a mídia de Chad Le Clos e no dia seguinte, Phelps respondeu com o melhor tempo da história sem trajes.
4- Ainda temos o húngaro Laszlo Cseh pra aquecer a disputa, campeão mundial da prova em Kazan.


200 medley masculino

Por quê? Ainda com Phelps na prova, o duelo agora é muito mais histórico.
1- Phelps pode tornar-se tetra-campeão
2- Phelps e Lochte estão no pódio olímpico da prova há 4 ciclos olímpicos e ainda dominam com facilidade.
3- Lochte é o atual recordista mundial
4- Ainda temos um brasileiro para torcer, com chance de pódio: Thiago Pereira.


200 livre feminino

Por quê? Essa promete ser a prova do século, assim como foi considerado os 200 livre em Atenas com Thorpe, Phelps e Pieter van der Hoogenband, os três ícones da época. Os 200 livre é a junção dos melhores velocistas e meio-fundistas e por isso é uma prova sempre difícil de prever, porque é a prova mais difícil definir uma estratégia de prova, provavelmente. Os motivos para não perder por nada:
1- Katie Ledecky, que é uma atração por si só, atual campeã mundial da prova
2- Federica Pellegrini, a mais expert na prova, recordista mundial, vice-campeã em Kazan
3- Sarah Sjostrom, não nadou ainda a prova individual em patamares mundiais, mas tem o melhor tempo de 2015 e 2016.
4- Missy Franklin, bronze em Kazan
5- E ainda Emma McKeon, Femke Heemskerk, as chinesas e Katinka Hosszu.